segunda, 15 de julho de 2024

Dois são presos por pescar com petrechos proibidos na Piracema

Dois são presos por pescar com petrechos proibidos na Piracema

11 novembro 2015 - 09h45Por PMA
Policiais ambientais de Aquidauana, que trabalham em um Posto montado em uma cachoeira na região do Distrito de Camisão, realizavam fiscalização na madrugada de hoje e prenderam dois pescadores, que além de pescarem no período de piracema, ainda faziam uso de redes de pesca, que são petrechos proibidos, mesmo durante a pesca aberta.

Os infratores haviam armado redes de pesca no rio Aquidauana e aproveitavam a escuridão na madrugada para conferir e retirar peixes capturados pelos petrechos ilegais.

No momento em que os policiais chegaram e prenderam dois pescadores, que estavam com três exemplares de peixes da espécie pintado, pesando 40 kg que haviam retirado de uma rede, que foi apreendida, um infrator que estava em um veículo Fiat Fiorino fugiu, abandonou o veículo e adentrou à mata, não sendo localizado. Na carroceria do veículo havia outro exemplar de pintado, pesando 15 kg e uma rede de pesca. O veículo e os 55 kg de pescado, bem como duas redes de pesca foram apreendidos.

Os dois infratores detidos, residentes em Aquidauana receberam voz de prisão e foram encaminhados, juntamente com material apreendido, à delegacia de Polícia Civil de Aquidauana, onde eles foram autuados em flagrante por crime ambiental de pesca predatória e saíram depois de pagar fiança. Também foi lavrado um auto de infração administrativo e aplicada multa de R$ 2.600,00 contra cada autuado. O pescado será doado para instituições filantrópicas depois de periciado.

O fugitivo será identificado e também responderá pelo crime ambiental e será multado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA

Atraso em sistema de tecnologia paralisa saques do Fundo PIS/Pasep

ECONOMIA

Caixa libera abono do PIS/Pasep para nascidos em setembro e outubro

DIREITOS HUMANOS

Conferência pede recursos para direitos de pessoas com deficiência

INCLUSIVO

Como está a saúde mental da juventude de MS? Responda à consulta pública lançada pela Cidadania